Vinagrete 18.05.28 – Populismos e anti-emigrantes

Devo confessar que foi para mim uma desilusão o filme sobre a imigração do artista plástico chinês, actualmente com estúdio em Berlim, Ai Weiwei. Começa por ser demasiado primário a defender que recebamos os refugiados (chega a sugerir lá ser a única maneira de evitar que se radicalizem, como se eles não estivessem a fugir já dos radicalismos). Curiosamente, fui ver o filme numa altura em que mais um Governo chamado ‘populista’ (devem querer dizer antes fascista) prepara para instalar-se no coração da UE, ou seja em Itália. Depois das experiências bem negativas, nesse aspecto, da Polónia e da Hungria.

Ai Weiwei, C7nema

Lembrei-me do Dr. Mário Soares defender que a integração europeia era a maneira de impedirmos que a extremos voltem a ocupar Portugal. E no entanto a UE tem mostrado resistir à entrada de extremistas, mas depois de os países estarem dentro, financia e até dá fortunas de torneira aberta a esses mesmos extremistas (como se tem visto com os exemplos infelizes da Polónia e da Hungria). Custou-me assistir na Polónia o ódio que esta gente agora eleitora da extrema-direita (no fundo, pareciam sentir-se melhor debaixo da pata de Moscovo), vota a quem lhes ofereceu arduamente a democracia, como Lech Walesa.

Contudo, penso que há uma boa intenção de um certo tipo de europeus relativamente aos refugiados muçulmanos, que nos procuram com expectativas erradas, e não escondem o que nos odeiam – como afirmam claramente no filme. Nem sequer são muito corajosos. Apenas têm dinheiro para vir. Os que não têm ficam lá. Mas imaginando o horror que deve ser viver em países tão atrasados, a nossa redacção natural deveria ser recebê-los de braços abertos. Só que eles vêm com a expectativa de se mudarem para países riquíssimos, e portanto julgam poder viver cá melhor do que lá, em trabalharem muito. Isso não é possível. Acabam em grande quantidade no crime mais ou menos organizado, e depois nas radicalizações próprias de criminosos com estranhas crenças religiosas.

Talvez entre os nossos populistas haja fascistas convictos, que odeiam simplesmente a democracia e os outros, e haja os que sentem uma aversão aos refugiados que também não gostam de nóis, e vêm cá criar problemas – como se vê em tantos filmes, quando tratam das escolas, e mostram o que são a imigração demasiado problemática e demasiado rebelde. Talvez se cairmos em nós, passem a haver menos ‘populistas’.

Outro disparate, é o da ministra dinamarquesa que veio defender que os muçulmanos deixem de trabalhar no mês do Ramadão, sem para isso tirarem férias. Quem será então o patrão disposto a empregar gente que, além do período normal de férias, não trabalhará mais um mês. Talvez fosse bom começar com essas experiências nos países muçulmanos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s