Vinagrete 22.12.28 – A morte de Mega

Conheci-o em casa de uma prima minha, na zona de Sintra, que também já partiu, e teve igualmente um cancro, embora na cabeça.

            Vi-o mais tarde no comboio, quando ia de Sintra, onde ele morava com a mãe, e já estava a sair da Faculdade de Direito (onde terá sido colega do  PR) e eu ia a entrar.

Depois fomos colegas no Expresso, com o Vicente Jorge Silva, que infelizmente também já lá vai, e o conhecia dos tempos do Comércio do Funchal. O texto que achei mais bem escrito sobre ele, foi do Augusto M. Seabra, no Público, que coexistiu connosco no Expresso. Tive com ele algumas vezes ultimamente, em projectos nunca concretizados. Lembro a loucura dele por  Borges, que de resto entrevistou em Lisboa, e o terá influenciado como ninguém na escrita.

Resta-me uma enorme saudade.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s