Vinagrete 18.03.29 – O perigo dos incêndios

O perigo maior dos incêndios, neste momento, não me parecem ser os incêndios em si – mas sim as recomendações de uma comissão independente chefiada por um tal João Guerreiro, e aparentemente muito mal informada, mas que passa por ser omnisciente.

João Guerreiro, um sabe tudo de incêndios, Público

Esta minha ideia de que a dita comissão está muito mal informada, tem a ver com o saber da vida. O brasileiro Millor Fernandes cunhou uma frase, que é agora símbolo de uma secção fixa da revista do Expresso, e que diz assim. «Quem sabe tudo é porque anda muito mal informado».

Já na antiguidade clássica, Platão terá afirmado: «Só sei que nada sei». Ao longo do tempo, os filósofos, e em geral a gente do saber, foram aperfeiçoando essa máxima para esta de igual significado: «Quanto mais sei, mais sei que nada sei». À medida que as pessoas vão tendo conhecimentos e sabedoria, percebem o pouco que sabem. Por isso é típico que quem se acha muito sabedor, é porque na realidade sabe muito pouco. Como bem notam o brasileiro Millor Fernandes e o Expresso. Mesmo em profissões onde é importante haver uma ideia de sabedoria, com tomadas rápidas de decisões (caso sobretudo da área empresarial), sucedem acertos casuais (no melhor dos casos, fala-se em intuições acertadas), com grandes vantagens, seguidos de autênticos fracassos das mesmas pessoas (que acabam por cair em desgraça).

O grande problema do combate aos incêndios hoje em dia, depois de assistirmos às desgraças do ano passado (começadas na Primavera-Verão, e repetidas em Outubro), não é tanto a atitude dos combatentes (que se supõe ser sempre das melhores), mas o facto de se estar a dar demasiada importância a uma comissão tão pouco sabedora. E tão pouco, que considera previsíveis condições (as atmosféricas, por exemplo), que mais ninguém, achou previsíveis (a começar pelo IPMA, a isso especialmente dedicado).

O pior é o tal Guerreiro achar que sabe tudo, e não entender como é fácil «fazer prognósticos depois do jogo»,

Perante isto o que interessam os Kamov? E os que defendem que a ANPC devia aceitar tudo dos privados, só para conseguir ter meios aéreos suficientes dentro do prazo estabelecido?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s