Vinagrete 17.10.13 – Transexuais são anormalidade?

Transexual cantor e exibicionista

Um programa da RTP veio demonstrar que os transexuais são uma anormalidade, que como tal devia ser encarada. No entanto, a época é das minorias (o que em princípio, tirando excepções de anormalidades gritantes, nem é mau), e vai daí surgem legislações para esta minoritíssima minoria dos transexuais.

O drama é tratar-se demasiado ideologicamente um assunto suficientemente sério para merecer outra abordagem. A verdade é que, apesar do indesejável tratamento espectáculo e ideológico, fiquei a saber coisas que não sabia.

Por exemplo que há uma Lei do Governo PS a defender que os transsexuais são livres de agirem como querem aos 16 anos.

Várias coisas: primeiro, aparecem os que querem transformar estas questões fracturantes originariamente nazis em valores de esquerda (não o são; as pessoas necessitam ainda de uma esquerda que vele por políticas sociais verdadeiras); depois há os que ‘vão na onda da moda’ (os ‘Maria vai com as outras), como o Governo do PS, que afirma com ar sério procurar seguir os padrões modernos; em terceiro lugar, já percebi que não vale a pena lutar contra as facilidades das novas tecnologias, mesmo quando se ancoram nos valores nazis transformados em fracturantes com simpatias de certa esquerda (menos preocupada com as necessidades da população desfavorecida, do que em parecer moderna e fracturante).

Transexual, fotografia Globo

Contudo, há vários contudos. Por           que é evidentemente ridículo deixar à idade dos 16 anos a decisão de coisas irreversíveis, que os adultos podem depois queixar-se de terem sido erradamente induzidos. Bem sei que este argumento é fraco, quando se debate a possibilidade de descer para os 16 anos a idade do voto.

Pessoalmente, era um adolescente aos 16 anos, longe de querer considerar definitivas as minhas opções nessa idade. No entanto, também me envergonho de outras opções imaturas, já da juventude considerada adulta (depois dos 18 anos). E por este andar nunca mais decidíamos nada, porque estamos sempre a evoluir com a maturidade.

Claro que decisões mais sérias não deviam ser tomadas por ninguém, e menos ainda previstas na Lei para os 16 anos. Curiosamente, os defensores da medida falavam dos adolescentes de 16 anos como crianças sofredoras. Quando se trata apenas de adolescentes patetas, a sofrerem como todos os outros adolescentes, por uma ou outra razão. O sofrimento faz parte da vida. Mas chamar crianças aos adolescentes de 16 anos (e depois fazer leis como se eles fossem adultos) parece-me pior do que falar em jovens com 35 anos. Quer dizer que agora só se chaga a adulto velho? E a adolescente?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s